Pesquisar este blog

Carregando...

quarta-feira, 4 de março de 2015

Ponta de Estoque de Jeans na Lavnew Lavanderia


A Lavnew Lavanderia Industrial, estará realizando neste sábado dia (07), ponta de estoque em Jeans, são peças a partir de R$ 15,00, imperdível.

A Ponta de Estoque acontecerá na Rua José Gonçalves de Oliveira, ao lado da Vanderleia Art Fotos, a partir das 10:00horas.

Em assembleia, professores decidem manter greve da rede estadual no PR


Os professores e funcionários da rede estadual de ensino do Paraná decidiram manter a greve da categoria, que completa 24 dias nesta quarta-feira (4). Os servidores se reúnem no Estádio da Vila Capanema, em Curitiba, e iniciaram a reunião por volta das 9h30. Cerca de 20 mil servidores participaram.

"Nossa greve vai continuar por tempo indeterminado por causa do impasse como governo, que fechou as portas para a negociação", afirmou o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Educação do Paraná (APP-Sindicato), Hermes Leão.

As principais reivindicações da categoria são os pagamentos de promoções e progressões de carreira que estão atrasados. Quase um milhão de alunos da rede estadual estão sem aulas desde o dia 9 de fevereiro, quando o ano letivo deveria ter iniciado. A mobilização dos servidores reúne cerca de 100 mil pessoas em todo o estado.Depois de deixarem a Vila, os educadores vão seguir em passeata até Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) para acompanhar a votação do projeto de lei que extingue a prática de Comissão Geral no Legislativo paranaense. A intenção do governo em votar o "pacotaço" em Comissão Geral foi alvo de várias reivindicações dos educadores.

Governo e trabalhadores já se reuniram três vezes para traçar um acordo, que, apesar de avanços elencados por ambas as partes, ainda não se concretizaram. Entre as propostas da administração estadual está a não apresentação de qualquer projeto de lei que suprima direitos dos servidores públicos e, em particular, dos educadores.

Posição do governo

Em nota, o governo estadual argumentou que atendeu toda a pauta de reivindicações apresentada pela APP durante as negociações e que "lamenta" a decisão dos servidores em manter a greve.

"O governo espera que os professores e servidores da Educação reavaliem a decisão e retornem às salas de aula o mais breve possível, para que os estudantes e suas famílias não sejam ainda mais prejudicados por uma paralisação que não tem mais justificativas", diz um trecho da nota.

Em meio às negociações, o governador Beto Richa (PSDB) chegou a reconhecer que "cometeu erros" sobre as medidas apresentadas no pacotaço. "Eu confesso que cometemos alguns erros, alguns equívocos, no direcionamento do encaminhamento dessas propostas à Assembleia Legislativa. Deveríamos ter discutido um pouco melhor com a sociedade".

Liminar da Justiça

No sábado (28), a Justiça concedeu uma liminar e determinou que os professores do terceiro ano do Ensino Médio retomassem as atividades. A decisão estipulou multa diária de R$ 10 mil e foi imposta pelo juiz de plantão do estado, Victor Martin Bapschke. Até esta quarta, os grevistas não tinham acatado a decisão.

No despacho, o juiz justificou que "há risco evidente e irreparável a ausência do conteúdo para os fins do concurso vestibular, provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e recomposição do calendário escolar".

Exceções
Em meio à greve, a Escola Estadual Nossa Senhora de Salete, no Bacacheri, em Curitiba, decidiu retomar as aulas. Na segunda-feira (2), dos 231 estudantes matriculados no período da manhã, cerca de 120 compareceram ao colégio. Entretanto, o número aumentou nesta terça-feira (3), com 144 alunos presentes nas salas de aula. Nesta quarta, por causa da assembleia, não haverá aulas.

No Colégio Estadual Pedro Ernesto Galer, no distrito de Sede Alvorada, em Cascavel, no oeste, as aulas também voltaram na segunda-feira. O colégio conta com 160 alunos do 6º ao 9º ano e do ensino médio e funciona no mesmo prédio de uma escola municipal. Este, segundo a direção, é um dos motivos para a retomada das aulas, já que o transporte escolar é o mesmo para todos os estudantes, influenciando no calendário escolar.

Fonte: G1 Paraná

Campanha do IPTU 2015 da Prefeitura Municipal de Alto Paraíso


Comunicamos a todos os contribuintes de imóveis urbanos, que o IPTU de 2015 esta com 20% desconto para pagamento a vista em cota única, retirar os carnes na prefeitura municipal de Alto Paraíso, maiores informações pelo telefone: (044) 3664-1320, no setor de Tributação.

terça-feira, 3 de março de 2015

Estão Abertas as Inscrições do Campeonato de Futebol Suíço 2015


Estão Abertas as Inscrições para o Campeonato de Futebol Suíço de Alto Paraíso, as fichas estão disponíveis na Secretaria de Esportes, as inscrições vão até dia 09 (próxima segunda - feira) de Março, os jogos serão realizados no Campo de Futebol Suíço do Clube Recreativo.

segunda-feira, 2 de março de 2015

Governo suspende financiamentos do Minha Casa Melhor


Diante do aperto fiscal, o governo decidiu suspender novos financiamentos do programa Minha Casa Melhor, criado dentro do Minha Casa, Minha Vida (MCMV). O financiamento especial foi criado em 12 de junho de 2013, com uma linha de crédito de até R$ 5 mil por família, para viabilizar a compra de eletrodomésticos e móveis novos pelos beneficiários do programa MCMV, uma das principais bandeiras da presidente Dilma Rousseff durante sua campanha eleitoral à reeleição. Nesta quinta-feira, a Caixa Econômica Federal (CEF) confirmou, por meio de nota, que novos financiamentos serão discutidos no futuro e que os cartões em uso e cujo recurso foi liberado, continuam valendo.

Novas contratações do Minha Casa Melhor estão sendo discutidas no âmbito do programa Minha Casa Minha Vida fase 3. Os cartões referentes a contratos já realizados continuam operando normalmente”, diz a nota.

A Caixa não informou o valor da linha gasto até agora, mas integrantes da equipe econômica disseram que o dinheiro disponível foi “todo gasto” e, por isso, teria sido necessária a suspensão de novas adesões. O líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PB), apresentou na segunda-feira requerimento de informações ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy, cobrando informações de que novas adesões estão suspensas desde o último dia 20.

O cartão Minha Casa Melhor disponibilizava até R$ 5 mil de crédito para o mutuário pagar à CEF em até 48 meses os móveis, eletrônicos e eletrodomésticos. A taxa de juros é de 5% ao ano. Segundo informações da CEF, são mais de 13 mil lojas participantes onde se pode comprar 14 tipos de móveis e eletrodomésticos. O aporte dado à linha de financiamento foi de R$ 8 bilhões, mas nem todos os recursos foram gastos no fim específico. Na linha, teriam sido gastos apenas R$ 3 bilhões, valor já esgotado. O restante foi direcionado para outras operações dentro do MCMV.

No requerimento apresentado por Cunha Lima, o tucano disse que recebeu informações “pelos canais de atendimento da CEF de que novas adesões à essa linha de crédito estão suspensas desde o último dia 20 de fevereiro para reavaliação do programa”.

“Em que medida a decisão de suspender o programa relaciona-se às dificuldades fiscais pelas quais o país passa no momento?”, questionou Cássio Cunha Lima.

Na campanha eleitoral, Dilma prometeu lançar mais uma fase do programa Minha Casa, Minha Vida e informou que, em suas duas fases, o MCMV já havia contratado 3,45 milhões de casas. Para 2015, o Orçamento da União destina R$ 19,3 bilhões para o programa.

Fonte: O Globo

Prazo para declarar o Imposto de Renda começa hoje


A Superintendência da Receita Federal (RF) no Paraná estima receber 1.720.000 declarações de imposto de renda pessoa física (IRPF) neste ano.

O prazo para os contribuintes informarem ao fisco os rendimentos referentes a 2014 começa nesta segunda-feira (2) e termina em 30 de abril.

A estimativa é um pouco superior ao número de declarações registradas no último ano – 1.681.047 declarações.
Em todo o Brasil, serão 27,5 milhões de declaração, de acordo com a Receita Federal.

Os contribuintes que enviarem a declaração no início do prazo, sem erros, omissões ou inconsistências, também recebem mais cedo as restituições do Imposto de Renda – caso tenham direito a ela. Idosos, portadores de doença grave e deficientes físicos ou mentais têm prioridade. Os valores começam a ser pagos em junho de cada ano pelo governo e seguem até dezembro, geralmente em sete lotes.

Quem precisa declarar

Estão obrigadas a apresentar a declaração as pessoas físicas que receberam rendimentos tributáveis superiores a R$ 26.816,55 em 2014 (ano-base para a declaração do IR deste ano).

Também devem declarar os contribuintes que receberam rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40 mil no ano passado.

A apresentação do IR é obrigatória, ainda, para quem obteve, em qualquer mês de 2014, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas.

Fonte: G1 Paraná

Homem é encontrado morto no centro de Ivaté



Na noite deste sábado 28/02, por volta das 22h e 15 min um homem morreu na área central de Ivaté. Segundo a polícia a vitima foi encontrada caído ao chão na Rua Loanda. Policiais militares de Ivaté ao fazerem a verificação do mesmo constatou-se que a vitima identificada como Julio Cezar da Silva de 28 anos estava em óbito.

Diante dos fatos a polícia Militar isolou o local e acionou os órgãos competentes.

Quando o IML de Umuarama chegou ao local para recolher o corpo, houve um tumulto por parte da família e amigos da vitima, que indignados pediam a presença de peritos do Instituto de Criminalística no Local, os quais não se fizeram presentes.

A família pede Justiça, "Nós esperamos que a justiça seja feita, pois é uma vida que foi tirada sem motivações" clama o pai da vítima.

Policiais do Grupo ROTAM de Umuarama e policiais militares de Douradina estiveram dando apoio à polícia militar de Ivaté.

Quem tiver alguma informação que possa ajudar a elucidar o caso, que entre em contato com a Delegacia de Polícia de Ivaté através do fone:3673-1315 ou Polícia Militar através do 190.

Fonte: Portal Ivaté

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Construção da Fecularia AMAFIL Unidade de Alto Paraíso Começa a se Tornar Realidade












A Empresa Amafil Indústria e Comércio de Alimentos LTDA começa a ganhar forma. A Construção está sendo realizada no Município de Alto Paraíso localizada na Rodovia PR 489 , estrada para o Balneário Porto Figueira com sua instalação em uma área de 5 alqueires, com investimentos do Município de Alto Paraíso através do Programa de Incentivo ao Desenvolvimento Econômico e Social na ordem aproximada de 620 Mil Reais.

A Indústria tem previsão de processamento de aproximadamente 400 toneladas/dia de mandioca. 

Para a Administração do Município esta Obra é muito importante, pois garantirá diversos Empregos Direto e Indireto para nosso Município além de garantir uma alavancagem na economia do Comércio local.

Segurança na Expo Umuarama 2015


A diretoria da Sociedade Rural de Umuarama (SRU) se reuniu com representantes das forças de segurança para definir como será a atuação de cada corporação durante a Expo-Umuarama 2015.

Participaram do encontro o presidente da SRU, João Megda; o proprietário da Scouta Segurança (empresa particular contratada), José Ribeiro Leocádio; o comandante da Polícia Rodoviária Estadual de Cruzeiro do Oeste, 1º Tenente Gonçalves, além do 1º Sargento Marchetto; osuperintendente da 7ª Subdivisão de Polícia Civil, Antonio Carlos Borges; o comandante do 25º Batalhão de Polícia Militar, Tenente-Coronel Ênio Soares; além de Alexandre Sardi, que será o coordenador de segurança da feira, que ainda contará com a Guarda Municipal, Tiro de Guerra, Força Verde e IAP.

Entre outras estruturas diferenciadas, a Expo contará com uma viatura do Centro de Operações Especializadas (Cope), através da Polícia Civil, um módulo móvel da PM e efetivo do Batalhão de Fronteira.

Fonte: Tribuna Hoje

Greve dos professores do Paraná continuará na próxima semana


Ao que tudo indica a paralisação dos professores e demais servidores do ensino público estadual deve chegar a sua quarta semana. Ontem (26), o secretário de comunicação da APP-Sindicato, Luis Fernando Rodrigues, confirmou que o fim da greve depende de assembleia geral com a participação de toda a categoria. Foi justamente o mesmo modo de voto que determinou a iniciativa dos docentes em parar e, por isso, deve ser esta forma a mesma que garantirá dem o c r a t i c a - mente o fim da greve.

“Posso garantir a vocês que ao menos neste fim de semana não está programada a realização de nenhuma assembleia da categoria. Ao que tudo indica, a semana deve começar sem aula nos estabelecimentos públicos de ensino do Estado”, afirmou o secretário de comunicação antes mesmo do fim da reunião dos diretores do sindicato, na tarde desta quinta-feira.

VOTO

E sem saberem o dia preciso da assembleia geral, um número expressivo de professores pertencentes ao Núcleo Regional de Educação (NRE) de Umuarama, reuniu-se na sede local da APPSindicato para dialogar sobre as propostas do Governo do Estado, que foram colocadas nesta quarta- feira (25), durante reunião entre Comando de Greve e representantes políticos no Palácio do Iguaçu. “Existe um descrédito quanto ao cumprimento das promessas do governador Beto Richa, visto que em outras ocasiões ele não cumpriu o que disse. O medo dos professores é de voltarem para a sala de aula e o Governo não cumprir o que foi dito agora”, alegou o assessor de comunicação do núcleo da APP-Sindicato, Cleverson Eduardo Zanquetti. Outro item que preocupa e divide a categoria em uma possível volta, é a extinção da ParanáPrevidência.

PREVIDÊNCIA

A proposta apresentada no pacote de medidas do governo é extinguir a ParanaPrevidência e passar os recursos do fundo de pensão para serem administrados pelo tesouro do Paraná. Essa manobra garantiria que o governo utilizasse os R$ 8 bilhões para pagamento de todas as aposentadorias, aliviando o caixa do Estado, mas isso prejudicaria o futuro do pagamento das aposentadorias que ainda estão por vir. “No caso da previdência, ele [Governo] retiraria o projeto da Alep e garantiria um amplo debate com as entidades sindicais sobre qualquer alteração, mas isso apenas é promessa”, comentou o assessor.

FÉRIAS

A única ação tomada pelo Governo do Paraná, confirmada ontem pelos sindicalistas, foi o início do pagamento do terço de férias atrasado. “Até o momento apenas alguns professores receberam, já os funcionários administrativos ainda não”, divulgou Zanquetti. Para o secretário de comunicação, a iniciativa ainda é pequena perante o tamanho do problema. “O Governo liberou R$ 12 milhões para o pagamento do terço daqueles que tiraram férias em novembro e dezembro apenas, um percentual muito baixo, a grande maioria tira férias em janeiro”, lamentou o secretário. O Governo se comprometeu na reunião a realizar o pagamento em parcela única até o dia 31 de março, aos educadores que usufruíram das férias em janeiro.

Ao fim do encontro em Umuarama, os professores votaram pela continuidade da greve. Porém, a notícia mais importante veio da capital do Estado. E no início da noite desta quinta-feira, Rodrigues confirmou que a assembleia geral foi marcada para quarta-feira (4), às 09h em Curitiba.

Fonte: Brandão Junior

Proposta do governo fracassa e grevistas ampliam bloqueio


As liminares para desbloquear as rodovias federais obtidas pela Advocacia Geral da União (AGU) na noite de quarta-feira não foram o bastante para fazer com que os caminhoneiros acabassem com a paralisação no Paraná. Boa parte das barricadas grevistas foi removida a partir da noite da quarta-feira, mas a categoria apenas mudou de lugar e passou a ocupar estradas estaduais. O número de locais com manifestações havia até aumentado no fim do dia, de 47 no último balanço do dia anterior para 59 ontem. 

Apesar da notícia de que a categoria havia aceitado as propostas do governo federal do dia anterior, houve elevação de 23 bloqueios em vias estaduais de quarta-feira para 40 ontem, conforme relatório da Polícia Rodoviária Estadual (PRE), e queda de 24 para 19 nas BRs, segundo informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF) até 19h30 de ontem. Das 88 interdições em vias federais, 74 estão nos três estados do Sul. Entretanto, o número deve crescer, porque parte dos caminhoneiros voltou a fechar a BR-369 na noite de ontem, em frente à praça de pedágio em Arapongas e no trecho próximo a Apucarana.

O caminhoneiro Márcio Fagotti disse ontem que os motoristas foram informados de que a liminar obtida pela AGU tinha validade de 24 horas, o que justificaria a retomada dos bloqueios. Mas o advogado chefe da AGU em Londrina, Márcio Luís Dutra de Souza, afirmou que não existe prazo para a liminar. "Precisa ser cumprida até que acabe a paralisação e não há nada que limite a um dia. A multa de R$ 10 mil é diária, mas isso não é um prazo", explicou, ao lembrar que não podem nem mesmo permanecer nos acostamentos. O procurador da AGU informou que policiais rodoviários devem identificar os transgressores pela placa dos veículos que paralisam as rodovias. 

Diante da notícia de acordo com o governo, muitos motoristas resolveram se aventurar para entregar as mercadorias. O caminhoneiro Hélio Dias Moraes, de 36 anos, afirmou que o chefe, informado sobre a liberação, pediu que partisse com uma carga de bacalhau. "Mas parei no bloqueio. Se não chegar até amanhã (hoje), pode estragar", afirmou Moraes. 

Na BR-369, próximo ao viaduto entre Londrina e Cambé, os motoristas foram removidos da rodovia na noite de quarta-feira, por volta das 20h30, mas por volta das 7 horas alguns mudaram o local de permanência para a PR-445 (Rodovia Celso Garcia Cid). A rodovia BR-369 voltou a ser ocupada por volta das 12h30, quando alguns motoristas colocaram obstáculos para impedir a passagem dos veículos nos dois sentidos. Os ânimos ficaram acirrados e alguns manifestantes atacaram com pedras os veículos que furaram o bloqueio, inclusive os de passeio. 

Em Arapongas, na BR-369, próximo à praça de pedágio da concessionária Viapar, a liberação do tráfego na estrada foi na noite de quarta-feira, mas os motoristas fizeram outro bloqueio, no km 10 da PR-444, que foi liberado por volta das 8h30. O motorista dos Correios, Éverton Batista, de 37 anos, revelou que tentou passar, mas como foi impedido, resolveu esperar a liberação das estrada em um posto de combustíveis da região. 

Um dos pontos mais congestionados na manhã de ontem foi o trecho da BR-376 entre Marialva e Sarandi. O proprietário de caminhões Paulo Mochi, de 46, afirmou que o acordo anunciado entre o governo federal e os caminhoneiros não atendia aos anseios da categoria, principalmente dos autônomos. Quando recebeu a notícia de que a pista seria liberada, afirmou que no dia 28 pode haver outra grande paralisação caso as demandas dos motoristas não fossem atendidas, principalmente em relação ao preço do combustível, ao valor do frete e em relação aos pedágios. "Graças a Deus a população tem nos apoiado, fornecendo comida e água." 

Segundo a PRF, a fila de veículos pesados entre Marialva e Sarandi atingiu 18 km de extensão na manhã de ontem, mas segundo avaliação dos próprios caminhoneiros essa distância foi bem maior.

Fonte: Brandão Junior

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Força Nacional chega ao Paraná para solucionar bloqueios de rodovias


A Força Nacional de Segurança Pública chegou nesta quarta-feira, 25, ao Paraná para auxiliar a Policia Rodoviária Federal (PRF) a liberar aos trechos de bloqueio no Paraná. Os homens da Força Nacional estão concentrados na região de Cascavel, onde os bloqueios tem causados maiores estragos. No Paraná há 33 trechos de bloqueios nas rodovias estaduais e 20 nas rodovias federais. 

Hoje à tarde, governo e manifestantes dos caminhoneiros autônomos e empresas que contratam serviços sentam para negociar. O valor do frete é a principal pauta da mesa de diálogo instalada nesta quarta-feira, 25. A reunião será às 14h, no Ministério dos Transportes, com a presença dos ministros Miguel Rossetto (Secretária-geral), Antônio Carlos Rodrigues (Transportes), José Eduardo Cardozo (Justiça), Kátia Abreu (Agricultura) e Luís Adams (Advocacia Geral da União).

A reunião faz parte da ação do governo federal para normalizar a circulação nas estradas bloqueadas por manifestações de caminhoneiros. A desobstrução das rodovias começou nesta terça-feira, 24, para assegurar o direito de ir e vir e o abastecimento da população. 

Até ao meio-dia desta quarta-feira, 25, a Justiça já concedeu liminares para desobstrução de todas as rodovias federais nos estados da Bahia (uma especificamente em toda a região de Feira de Santana), Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul (Porto Alegre e Pelotas) e Paraná (Curitiba).

No Ceará e Mato Grosso, a decisão sobre a desobstrução deve sair hoje. Em Santa Catarina, a AGU aguarda a decisão da Justiça. A força-tarefa da AGU está atuando com cerca de 40 advogados da União em todo o Brasil. Nos estados onde há manifestação dos caminhoneiros, as ações ajuizadas pedem a reintegração de posse e a proibição de obstrução das rodovias atingidas pelo movimento.

Outro ponto de pauta tema da reunião é a prorrogação de financiamento para renovação da frota do BNDES – Procaminhoneiro, além da Lei dos Caminhoneiros, aprovada pelo Congresso Nacional recentemente. A lei define a jornada de trabalho e trata do valor de pedágio nas rodovias, outras pautas da manifestação.

A Força Nacional de Segurança Pública foi criada em 2004 para atender às necessidades emergenciais dos estados, em questões onde se fizerem necessárias a interferência maior do poder público ou for detectada a urgência de reforço na área de segurança. Ela é formada pelos melhores policiais e bombeiros dos grupos de elite dos Estados, que passam por um rigoroso treinamento na Academia Nacional de Polícia (da Polícia Federal), em Brasília, que vai de especialização em crises até direitos humanos.

SUPERMERCADOS — A Associação Paranaense de Supermercados (Apras) enviou uma nota sobre o impacto da greve dos caminhoneiros no setor no Paraná. Segundo o levantamento da entidade, a situação é mais precária nos supermercados regiões de Pato Branco, Francisco Beltrão, Maringá, Londrina, Cascavel, Toledo, Irati e outras cidades do Estado do Paraná.

Nessas regiões citadas, o abastecimento de alimentos e combustíveis estão bastante prejudicados, atingindo mais de 55% das lojas. Já a região de Pato Branco, 80% dos produtos em geral nos supermercados não estão chegando nos centros de distribuição, como frutas, verduras, legumes, leite, ovos entre outros.

Os supermercados dessas regiões estão trabalhando com o estoque de loja, sendo que os perecíveis devem suportar mais cinco dias. Outro fator preocupante é o abastecimento de mercearia seca, que compreende de produtos como óleos, arroz, farinha, feijão, entre outros; pois os caminhões não estão tendo acesso aos supermercados e aos seus centros de distribuição.

Na nota, a Apras solicita às autoridades federais, Advocacia Geral da União e estaduais, Procuradoria Geral do Estado e também ao movimento dos caminhoneiros que seja liberado as cargas de combustíveis, e de alimentos que são essenciais para abastecimento mínimo da população do Estado.

PAÍS — A manifestação de caminhoneiros já ganhou a adesão da categoria em ao menos 13 Estados, afetando a produção de alimentos, exportações e abastecimento de combustíveis. Desde que o protesto começou há cerca de semana, manifestantes já realizaram bloqueios em rodovias nos estados do Pará, Ceará, Mato Grosso, Bahia, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Nesta quarta-feira,25, o movimento está mais forte no Paraná, onde há bloqueios em 20 rodovias federais e 24 estaduais, segundo as informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF)

Responsáveis, em média, por 58% do transporte de mercadorias no país, segundo o Ministério dos Transportes, os caminhões têm participação ainda mais alta em setores como o de grãos. Segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais, 65% do transporte da soja no país foi por esse meio em 2013. No porto de Paranaguá (PR), por exemplo, o segundo maior exportador do país, o movimento está abaixo do normal. O escoamento da soja, em plena safra, está prejudicado. Neste terça, dos 925 caminhões previstos, apenas 67 chegaram. Segundo a direção do porto, mesmo com o fim do movimento, deverá haver lentidão no escoamento da soja.

No Paraná e em Santa Catarina, a JBS decidiu paralisar oito unidades de produção de aves e suínos. O principal problema é a interrupção no fornecimento de grãos para a alimentação dos animais e de insumos, como embalagens.

Confira as rodovias federais interditadas até a manhã desta quarta:

BR-158, km 204, Peabiru
BR-163, km 284, Marechal Cândido Rondon
BR-163, km 32, Santo Antonio do Sudoeste
BR-272, km 364, Campo Mourão
BR-277, km 238,8, Irati
BR-277, km 338, Guarapuava
BR-277, km 452, Laranjeiras
BR-277, km 667, em Medianeira
BR-277, km 720, Foz do Iguaçu
BR-369, km 158, Londrina
BR-369, km 178, Arapongas
BR-369, km 397, Mamborê
BR-369, km 83, Cornélio Procópio
BR-373, km 478, Coronel Vivida
BR-376, km 137, Nova Esperança
BR-376, km 187, Marialva
BR-376, km 245, Apucarana
BR-376, km 295, Mauá da Serra
BR-467, km 76, Toledo
As estaduais:
PR-151, km 288, Piraí do Sul
PRC-158, no km 528, em Vitorino
PR-160, km 053, Cornélio Procópio
PR-170, no km 381, em Guarapuava
PR-180, no km 541, em Francisco Beltrão
PR-180, km 471, Francisco Beltrão
PR-182, no km 459, em Realeza
PR-182, km 320, Toledo
PR-182, km 281, Maripá
PRC-280, no km 130, em Palmas
PRC-280, no km 175, em Clevelândia
PRC-280, no km 194, em Mariópolis
PRC-280, no km 255, em Marmeleiro
PR-281, no km 254, em Astorga
PR-281, no km 255, em Chopinzinho
PR-281, no km 467, em Chopinzinho
PR-281, no km 535 em Dois Vizinhos
PR-317, km 048, Santa Fé
PR-323, no km 36, em Sertanópolis
PRC-373, km 0, Carambeí
PR-420, no km 42, em Piên
PR-445, km 078 - Londrina
PR-463, km 053, Colorado
PR-466, no km 100, em Jardim Alegre
PRC-466, no km 179, em Pitanga
PR-471, no km 222, em Nova Prata do Iguaçu
PR-483, no km 001, em Francisco Beltrão
PRC-487, no km 295, em Manoel Ribas
PR-491, no km 00 (trevo), em Marechal Rondon
PR-562, no km 85, em São João
PR-566, no km 12, em Itapejara d'Oeste

Fonte: Bem Paraná

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Reajuste do ICMS eleva mais o preço do combustível. Novo valor entrou em vigor ontem



Em menos de um mês os combustíveis voltaram a subir. Em  Umuarama, os consumidores amanheceram ontem com uma nova surpresa estampadas nas bombas. Aprovado no fim do ano passado, o aumento de 29% no valor do ICMS (Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços) no Paraná já chegou aos postos de combustíveis da cidade. E outra má noticia é que o etanol também acompanhou a alta. 
Com o reajuste no tributo, os derivados do petróleo subiram de R$ 0,02 (diesel) a R$ 0,07 (gasolina) levando o preço do litro da gasolina em algumas bombas de Umuarama a R$ 3,47. Em janeiro, os valores dos combustíveis já haviam sofrido alteração com os aumentos dos impostos PIS e Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins). Neste período, o etanol, por exemplo, saltou de R$ 1,99 para 2,29. 
O reajuste do ICMS faz parte do pacote de tarifas aprovados no fim do passado pelo Governo do Estado, quando também tiveram reajustes outros impostos como o IPVA. A ampliação de R$ 0,02 no diesel e R$ 0,07 na gasolina por meio do ICMS foi aplicado somente no Paraná. A explicação do Estado para o reajuste no ICMS é de que o aumento no tributo deverá auxiliar o governo a superar uma crise econômica.
Tal situação está promovendo vários protestos em todo Estado que inicio com o dos professores e hoje tem várias rodovias fechadas por caminhoneiros insatisfeitos com os valores dos combustíveis. No Paraná, 20 rodovias permaneceram fechadas ontem. Em alguns pontos as filas de veículos ultrapassaram de 5 km.

Fonte: Ilustrado

Tudo vai parar? Protesto gera falta de comida e combustíveis no Paraná


O protesto de caminhoneiros iniciado há sete dias, e que se intensificou no final de semana, já tem reflexos na economia do Estado. Municípios no Oeste e Sudoeste já sentem falta de combustíveis e a entrega de hortifrutigranjeiros nos mercados também sofreram atrasos. Ontem, o frigorífico BRF anunciou que vai adiar o abate de animais em duas unidades do Sudoeste do Paraná enquanto persistirem os bloqueios nas estradas. Ontem, o Paraná chegou a ter 22 pontos de bloqueios de caminhoneiros em rodovias estaduais e federais.

"Não adianta abater os animais se não conseguimos os caminhões para o transporte", afirmou o vice-presidente de Relações Institucionais e Jurídico da BRF, José Roberto Rodrigues. O executivo viajou ontem a Brasília, onde deve se encontrar com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e o ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, para discutir a questão.
A BRF afirmou que seu principal problema de logística ocorre no Paraná. A empresa enfrenta, ainda, problemas em Mato Grosso, onde seus fornecedores de ração também têm dificuldades de logística.
Ceasa — Se os bloqueios nas rodovias se prolongarem, o desabastecimento de mercados com hortifrutigranjeiros podem ficar prejudicado em breve. Ontem, já houve dificuldades em pontos isolados do Estado. Em Foz do Iguaçu, o bloqueio provocou um grande atraso no recebimento de cargas no período da manhã. A situação só se normalizou durante a tarde.
Em Curitiba, também houve bloqueio em frente à Ceasa, mas sem provocar maiores transtornos, já que a paralisação durou pouco tempo e afetou mais a saída de produtos. Contudo, se a situação no interior continuar, pode haver falta de alguns produtos que vêm de regiões produtoras do interior para a Capital.

Combustível — Como um dos alvos dos manifestantes são os caminhões de combustíveis, cidades do Oeste e Sudoeste já acusavam falta durante o fim de semana. Francisco Beltrão, Foz do Iguaçu, Dois Vizinhos, por exemplo, já tinham pouco estoque ontem, e em Pato Branco, com a falta do produto, a gasolina chegou a ser vendida a R$ 5.
O presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo, fez um apelo, ontem, pelo fim dos bloqueios ao transporte de cargas em rodovias do Paraná e de outros estados. O protesto dos caminhoneiros, iniciado na última quarta-feira, vem prejudicando indústrias paranaenses, inclusive de setores que produzem alimentos perecíveis — que deveriam estar livres dos bloqueios.
“O setor produtivo brasileiro já atravessa um momento extremamente delicado, que vem se agravando a cada aumento de impostos e de tarifas públicas, como os ocorridos recentemente”, diz o presidente da Fiep. “Os bloqueios nas rodovias comprometem a entrega de matérias primas para as indústrias e o transporte de produtos finais até seus clientes. Esses atrasos representam um enorme prejuízo para as empresas”, acrescenta.

Bloqueios

Nas BRs, as interdições ocorrem em trechos da BR-277, em Medianeira e Guarapuava; na BR-163, em Pérola D’Oeste e em Santo Antônio do Sudoeste. Houve também bloqueio na BR-376, em Apucarana, e na BR-369, em Arapongas, no Norte

Nas rodovias estaduais foram 13 interdições: na PR-471, em Nova Prata do Iguaçu; PRC-280, em Marmeleiro; PRC-280, em Mariópolis; PR 483, em Francisco Beltrão; PRC-280, em Clevelândia; PR 566, em Itapejara do Oeste; PR 493, também em Itapejara do Oeste

Também apresentaram bloqueios a PR-182, em Realeza; PRC-487, em Manoel Ribas; e PRC-158, em Mariópolis

Fonte: Brandão Junior

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Rede pública de ensino do Paraná começa mais uma semana sem aulas


Os alunos da rede estadual do Paraná começam mais uma semana sem aulas, em meio à greve dos trabalhadores da educação pública do estado. Após duas reuniões entre sindicato e governo, ambas as partes admitem que houve avanços nas negociações, mas a categoria ainda possui exigências não atendidas. Uma nova reunião está prevista para esta segunda-feira (23).

A categoria entrou em greve no dia 9 de fevereiro, quando iniciaria o ano letivo de quase um milhão de estudantes. Desde então, vários servidores estão acampados no Centro Cívico, onde fica a Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) e o Palácio Iguaçu, sede do governo estadual.

O último encontro entre o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP-Sindicato) e representantes do governo Beto Richa (PSDB) durou mais de seis horas, na sexta-feira (20). Dentre os acordos estabelecidos nesta reunião, foi confirmada a contratação de mil professores e pedagogos aprovados em concurso público, mas que não haviam sido chamados.

Um dos principais entraves, porém, são os pagamentos de promoções e progressões de carreira que estão atrasados. Enquanto os trabalhadores exigem pagamento imediato, o governo quer postergar. “Não vamos assumir despesas sem que haja perspectiva de receita”, afirmou o secretário chefe da Casa Civil, Eduardo Sciarra.

Outro ponto reivindicado pelos professores é a retirada de projetos que constavam no “pacotaço” enviado pelo governador Beto Richa (PSDB) à Assembleia Legislativa. Segundo o governo, o item que tratava da fusão dos fundos de previdência dos servidores foi reavaliado, e será reapresentado na próxima semana.

Segundo o presidente do sindicato, Hermes Leão, outros temas ficaram pendentes para as discussões desta segunda: "Licença prêmio que tinha sido cancelada, programa de PDE que está previsto para agosto, nomeação de 463 pessoas, além dos que já foram anunciados, licenças para mestrado e doutorado que ainda não tem uma orientação, redistribuição de aula dos PSS, abertura de novas turmas e liberação de programas e projetos que estao pendentes", resumiu.

Reunião de quinta-feira

Representantes do sindicato e do governo estadual se reuniram na quinta-feira (19). Mesmo após alguns avanços, como o pagamento do terço de férias dos servidores que será depositado em duas parcelas, nos meses de março e abril, a categoria optou por manter a greve geral. No encontro também ficou acordado que os profissionais contratados via Processo Seletivo Simplificado (PSS), que tiveram o contrato encerrado em dezembro, deverão receber a remuneração no dia 24 deste mês.

Quanto ao pacote de medidas de austeridade apresentado pelo governador Beto Richa (PSDB), o chamado "pacotaço", a administração estadual anunciou que os itens relacionados à Educação vão ficar fora dos projetos. Eles estão sendo revisados e devem voltar a ser apresentados na Assembleia nesta semana. O “pacotaço” gerou uma série de manifestações, além da ocupação da Assembleia Legislativa na semana passada. Entenda o "pacotaço" apresentado pelo Governo do Paraná.

Ocupação da Assembleia

Na terça-feira (10), depois que os deputados estaduais aprovaram – com 34 votos favoráveis e 19 contrários – o requerimento que instituiu Comissão Geral para a apreciação do pacote de medidas, os manifestantes ocuparam o Plenário da Assembleia.

A Comissão Geral é um mecanismo previsto no regimento interno da Casa que permite os deputados votarem em um projeto de lei, em um único dia, sem que a proposta passe por comissões específicas.

Na quinta e na quarta-feira (11), as sessões foram realizadas no restaurante da Casa, pois o Plenário estava ocupado pelos manifestantes. Durante a sessão de quinta, que iria votar o requerimento de Comissão Geral, apresentado pelo líder do governo na Assembleia, o deputado Luiz Cláudio Romanelli (PMDB), para apreciar o "pacotaço", os manifestantes invadiram o pátio da Alep.

Policiais militares que isolavam a Assembleia fizeram o uso de bombas de efeito moral e de balas de borracha. Mesmo assim, os trabalhadores seguiram em frente e só deixaram o local quando foi anunciada a retirada do pacote de medidas.

No mesmo dia, depois da polêmica envolvendo o pacote de medidas, o govenador Beto Richa (PMDB) se pronunciou pela primeira vez sobre o assunto. Richa classificou como “absurda e violenta” as manifestações dos trabalhadores. Em nota publicada no site do governo, Richa afirmou que o tumulto foi provocado por “um grupo de baderneiros infiltrado no movimento dos professores”.

Fonte: G1 Paraná